Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

29 abril 2008

Desapego

O dia parecia ter encurtado quando comparado ao dia anterior. Divagou: a segunda-feira sempre parecia se alongar depois do fim de semana. Mas, para ela a segunda-feira apresentada por aquele dia estava encurtada. Eram muitas as exigências do dia, e , o que sempre foi corriqueiro pareceu novo: deu-se conta de que aquela faxina poderia ser a última e percorreu seus olhos pelos quatro cantos de seu encantado mundo. Tudo parecia bem: enquadrado num tempo de três anos. O tempo espalhou seus rastros em uns segundos de pausa. Cansada e com o aspirador vermelho desligado sentou num dos dois degraus de sua pequena escada e olhou seu mundo montado. Logo tudo se desmontaria e ocuparia novos lugares num cenário formatado por outra casa ... com gramado. Assustou-se por alguns segundos ... sentiu o som do medo e tentou espantá-lo com o som do aspirador. Ligado por poucos instantes ele voltou a silenciar e ela voltou a sentar acomodando seus olhos molhados ... de antes. Tentou enquadrar seus móveis e seus pedaços dentro da nova casa. Ensaiou uma abstração. Mas a realidade ainda era aquela de antes ... aquela daquele instante. Resolveu não se dispersar. Sentiu o cheirinho de limpeza e alegrou-se com o momento presente. Ligou o aspirador de pó e sentiu-se vermelha ... por dentro. Tudo estava no seu devido lugar: o lugar daquele instante.

4 comentários:

Anônimo disse...

Belinha,

De mudança?
Olha só a coincidência: o Sergei também. Para Curitiba!
Já está trabalhando aí.
Qualquer destes, vamos nos encontrar em Curitiba, já que em Floripa tá dificil.
Beijo carinhoso.
Gio

Daniella disse...

Bel...só você.. quando me mudei também tive sensações contraditórias...de tristeza pela antiga 'casa' e felicidade pela nova...
Lindo!
Seja muito feliz no novo lar!!
Bjins, Dani.

Bel disse...

Gio ....
Jura que teu filhote vai morar aqui? Em que bairro?
Sim...de mudança pra Vila...perto de onde moro. Estamos correndo de um lado pra outro....parecendo barata tonta.
Quando tudo estiver no lugar...passo os números e o endereço pra ti e para o Sergei, tá?
Nosso bate-papo anda difícil de sair mesmo, não é? Tem um lugar bem gostoso por aqui...uma café colonial que vocês irão gostar...quando vierem. Bom saber que passaste por aqui, viu?
Um beijo, saudades.
Bel.

Dani...minha mais fiel leitora: Tu sempre vê poesia em mim porque a poesia mora em ti.
Um beijo afetuoso, querida.
Bel.

Dama disse...

Sei bem o que é este medo, essa estranheiza, como já falei lá no meu cantinho. Mas mesmo quando está associada a algo ruim (como foi meu caso) sempre traz algo de bom junto e é ao que devemos nos apegar.
Tenho certeza que serás muito feliz na casa nova com gramado, rsrs.
Beijos.