Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

08 abril 2010

Como

... como um saco plástico vazio solto numa rua movimentada que valsa sem se notar. Como uma linha colorida envolvendo um pulso delicado sem fazer as vezes de pulseira. Como o caroço que deixou, recentemente, de ser fruto. Como o açúcar que sobra numa toalha de mesa e perde sua função de adoçar. Assim ela se via. Desperdiçava seu tempo se envolvendo. Desperdiçava sua fluidez se dissipando. Desperdiçava-se estranhando.
Salgava-se em certos dias.

4 comentários:

Cirandas da Vida disse...

Pode ter salgado-se por certos dias...

Mas de certo que o doce que fez dos frutos de algumas amizades, serão apreciados por muito tempo...

valendo assim todo o risco que corremos... ou nao?

BJUS E SAUDADES... (KD VC??? )

Giovani disse...

Belinha, minha querida amiga,

Passo por aqui apenas pra deixar um "cheiro", com carinho e saudade.

Gio

Bel disse...

... Adocicaria mundo inteiro...

Vivi ... a salinidade pode vir de um banho de mar. E ... daí já é benção de purificação. Claro ... que vale! Valerá.
Um beijo, querida.

Gio... estou em dívida contigo! Comigo. Estou com uma imensa saudade de ti. Vou viajar pra Lima na semana que vem. Na volta quero passar uns dias em Desterro e quero te ver. Pra tomar um café amargo com um doce acompanhado.
Tu sempre serás meu Muso Inspirador ... um amigo dos mais fiéis. A generosidade em pessoa. Meu intelectual orgânico. Sempre ...
Muitos beijo,
Meu eterno carinho,

Belinha.

Elga Arantes disse...

O contrário do doce não é salgado...

O sal faz não perder, já disse minha mãe, ao me ensinar os segredos da cozinha. E da vida...

Envolver-se, penso, é bom. Envolver-se num casulo; se fazer crisálida. Retornar borboleta. Voar, horizontar-se... Enxergar do alto, aumentar o campo de visão. Depois, largar-se em queda livre...