Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

28 novembro 2007

A ÁGUA QUE ESCORRIA.....

...e a água que saía da torneira não era a mesma que escorria de si!
Viu seu trajeto...viu que se misturou na lagoa da pia ... viu que sua lágrima havia gostado de se envolver com o detergente ... perdeu seu sabor salgado e se foi cano abaixo ... ligeiramente ... como uma água qualquer. Assim, acompanhando a fluidez do movimento de partida ... desviou-se de sua fragilidade momentânea ... os dias haviam lhe exigido uma certa frieza, uma certa atenção e um certo compromisso (maior do que sua insistente dor).
Um dia depois dos dias de tormenta..aliviou o peito em frangalhos...acalmou o palpitar da mágoa..e se fez...inteira novamente! Arrumou sua trouxinha...vestiu-se de preto (porque o sentimento lhe exigia) e, seguiu pela estrada à dentro. Viu o mar..de noite...escuro..sabia que seria azul de manhãzinha. Escutou um samba que lhe zunia direto nos ouvidos....ficou feliz, de novo.
Arrumou suas florzinhas vermelhas do cabelo...(já não lhe caía bem a personagem)...assumiu tudo pra si. Pintou os olhos de azul num escuro da estrada. Pisou em sua terra...fez-se dia claro por dentro. Respirou e caminhou serenamente até o encontro dos seus. Deixou o que era de lá por lá...e nem mais sofreu. Ouviu que parecia cansada, por certo assim se sentia, mas, uma esperança lhe avisava que as cores na roupa voltariam e que a vida ainda dançava....consigo.
Viu....que assim como a aguá havia partido...diluidamente...com o detergente..feliz e rodopiante...ela também poderia se ir... aos poucos. E, assim....usou a água pra se purificar..a água azul do mar de lavanda. Burrifou um jato pro alto...e posicionou-se abaixo dele...sentiu pequenas gotinhas esfriar sua pele...fechou os olhos e banhou-se em questão de segundos. Pronto...a água e suas diferentes formas haviam lhe limpado. ..desde a primeira lágrima até naquele instante só lhe faltou a chuva....mas essa viria...pensou que iria tomar um banho de chuva...iria tentar engolir um gota de chuva. Já havia tentado inúmeras vezes mas tinha fé que dessa vez conseguiria...pois tinha se tornado lágrima e uma gota lhe seria muittttooo familiar.

Um comentário:

Ju disse...

Bebelissima!!!
Nao sei o q dizer... so passei pra dar um beijo!!!
Bjosssssssssssssssss, aos montes e milhares!!