Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

24 junho 2008



Ela já havia aprendido a não criar expectativas. Achava que havia aprendido. Mas, naquele dia seu, viu-se desprotegida de seus pré-saberes. Havia se deixado arrastar pelas emoções que vieram de longe, pela ansiedade de seu primeiro dia. O dia 23 de junho era seu. Os céus assim haviam decidido, uma vez que tinha vindo de um parto natural há mais de 3 décadas passadas. Tudo havia se orquestrado para ela se sentir canceriana de corpo e alma e vida cheia. Canceriana do primeiro decanato e do segundo dia. Aquelas características cabiam em si.


O dia havia começado lindamente. Ele lhe trouxe uma fatia de bolo de chocolate e morangos e cantava animadamente um "Feliz Aniversário ... muitos anos de vida!" uma cantoria inventada por ele. Um chá de erva-doce, um cravo branco contornado pelo vermelho e um vasinho de flores amarelas. Tudo junto lhe fez derramar algumas transparências pela face envelhecida pela contagem dos passados 365 dias. Pensou estar emotiva demais! Agarrou-o em um abraço encantado pelos quase 9 anos divididos. Alegrou-se tremendamente e pensou que seu dia seria emocionado. Perto de sua hora primeira, inverteu a ordem e ligou pra seus dois grandes amores dizendo que ela já havia acordado e nascido há alguns anos atrás. Riram ... desejaram-se infinitas alegrias, saúde e amor pela vida à fora. Desejaram-se porque ela sempre devolvia em dobro o que lhe ofereciam. E vindo de seus pais ... o dobro ainda era pouco. Sentiu uma saudade apertada mas alegrou-se com a constatação de tê-los colados em si.


Perto do meio dia a campainha anunciou a presença de alguém que havia se tornado vital. Além do jardim compartilhado, além da lua que se exibia sob o mesmo ângulo às duas, além da azaléia que compartilhava sua beleza às duas... além de tudo mais ... elas haviam se ligado pela companhia e cumplicidade amorosas. E lá veio a Rô com toda a delicadeza que lhe cabe em sua forma ruiva e em sua beleza de alma ... veio com embrulhinhos delicados. Acertou em cheio, sempre acerta.


Um pouco mais tarde o telefone toca e amplia a doçura de sua irmã-amor. Ela lhe desejava o que sempre se deseja nestes dias ... aquelas coisas e tal ... que de tão essencias às vezes se tornam banais. Mas não vindas dela. Ela escutou cada palavra e desejou que se realizassem à seu tempo. Devolveu-lhe os desejos e a doçura do chamado.


Daí para frente as nuvens cinzentas tentaram esconder a amplidão da luz. Mas os carinhos chegaram em seu coração doente. Ela sabia quem lhe desejaria o maior de todos os bens, aquele que lhe faltava naquele exato instante. Deixou tudo se ir ... porque sabia que tudo passaria: do seu dia à dor daquele dia. Tudo se dissolveria e ela teria um Ano Novo a se apresentar. Brindou no dia seguinte e deixou a tristeza por lá. No dia seguinte sentiu os foguetes que vieram de longe, viu cada um deles sendo lançados pela Adri em seu mundo azul. Viu a mensagem cantada vinda de longe. Riu e viu um rio de vida vivida há mais de 10 anos. Escutou outros recados separados por bips afetivos (e veio a Clecinha e sua delicadeza serena), pensou ser realmente privilegiada em ser rodeada por tantos amores. Deixou seus dissabores onde deveriam ficar em cantos. Encantos lhe vieram em ondas e perceber o volume da imensidão lhe acalmou o coração.


8 comentários:

cris de bourbon disse...

Poooooooooooxa, Bel! Teu aniversario foi ontem e vc neeeem nos contou. Dá logo aqui um abraço. Isso, assim, apertado! Três beijos na bochecha também!

Felicidades, querida. Muitas, muitas. Muitos lindos anos de vida ao lado da sua familia e do Tuju. Que Deus te abençoe sempre mais...Te desejo essas coisas e tals, mas é de coração.

E me dá cá outro abraço, pelo lindo comentário que me deixastes no blog. Sei nem como agradecer, só sei retribuir. Todo o meu carinho do mundo pra vc, tá?

beijooooooo
E VIVA A BEL!

Jana disse...

Belzinha!
Tô aqui vertendo transparências rosto a fora, virei uma cachoeira, de repente... Logo depois veio um soluço involuntário. O dia de celebração pode ter se tornado mais breve do que o esperado, mas os desejos de um dia tão especial foram imensos. Amanheci pedindo aos céus muitas coisas boas pra ti e hoje ainda quero mais. Quero mais saúde... pra ti Lindezabel.
Beijinhos.

Jana disse...

Ah! esqueci. Que lindo cravo, ele fez as pazes com a rosa, pra estar tão vibrante assim, ele fez... ah! fez...

Bel disse...

Queridasssss ... as duas!
Um beijo em cada uma.
Um carinho e toda a minha imensidão.
Bel.

Marina String disse...

Bel,minha grande querida!!!!Muita benção e luz na sua vida!!!!!!Obrigada pela dica da Zara,espero confirmação!!!!Beijocas!!!

dama disse...

Bel que pecado o meu, com exatos quatro dias de atraso, estou eu aqui pra te desejar um feliz ano novo. Muitas felicidades minha querida. Que todo esse amor que vc distribui conosco volte em dobro, em triplo na sua vida. Muitas, mas muitas felicidades mesmo, e muita saúde e paz pra vc.
Mas uma vez perdão pelo meu lapso.

Um beijo enoooorme.

adriflorida disse...

Bebel...que delicado teu Ju...sei que a distancia afasta mas te mando um abraco bem apertado com uma babinha molhada de amor do Caio..te queremos muitooooooooooooo
Feliz dia...todos os dias...

Daniella disse...

Lindo demais Bel!!
Sumi um tempo...luto...voltei.
Então passou por mais uma primavera? Parabéns! Muitas felicidades, sucesso em todos os seus ideais..sonhos..e muita paz!
Parabéns!!
Bjs, Dani.