Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

14 outubro 2008

Sem riso por enquanto. Ensaiando: Projeto Olho Vivo.

Era como se fosse a primeira vez que ela ali se colocava: primeiro diante de si. E lá estava ela ... enquadrada por aquela sala que (de antes) mantinha apenas as aberturas das portas e janelas. E por elas ... ela passou animada. Percebeu que matizes novas coloriam aquelas salas de tempos, o verde com o vermelho-rosa deram uma vida nova, um certo frescor que materializava a nova fase que ali se iniciava. Era dia 13 de outubro de 2008: uma segunda- feira inesperadamente quente depois de longos dias tão frios.

Aos poucos o grupo foi se formando, encontros festivos se manifestaram por alongados abraços. Escutou uns beijos estalados. Sentiu alguns ruídos vindos lá de trás: e segurou um certo desconforto. Percebeu tantos olhares novos, gente fresca como a tinta da parede verde. Sentiu uns encantamentos imediatos, abafou algumas desconfianças baratas e espalhou uns tantos dos seus olhares investigativos. Viu ... uns pontos de luz nas retinas que anunciavam a esperança de consolidar um projeto coletivo e cooperativo que se alongaria e ocuparia 365 dias de muitas, muitas daquelas vidas. Em roda eram 16: divididos em homens e mulheres: pensou ter visto ... metade. Contando bem balançou sua cabeça 17 vezes. Confusa ... achou que deveriam ser 18. Esqueceu-se de contar e entusiasmada ... ela reconheceu a possibilidade de parcerias. Respirou escondendo o suspiro: e prometeu se doar. Prometeu aceitar, prometeu esquecer, prometeu recomeçar. Prometeu desacelerar. Queria menos, um pouco menos.

Viu-se ali com eles(as) e a sua ansiedade pulsou. Viu a deles(as) saltitar também. Um contágio. Muitas filmagens.Guardou algumas sensações em si: uma espécie de dor no olhar, corpo frenético, gestos acelerados, risos deslocados. Olhar reduzido pela afobação. Tentativa de graça desconecta. Depois de doses de reflexões viu a possibilidade de uma conscientização coletiva: sentiu a possibilidade de uma tranformação. Câmera integrada num foco enviesado. Palavras em relatos e críticas pontuais. Delicadezas. Justificativas. Mediação.

Em tempo: ela percebeu que um caminho encurtado (quase) sempre se desenha pela via de uma graça solta. Numa graça esvaziada pelo correr descontrolado do tempo, pela racionalização de quem quer, por vezes, ter o "poder" da cena, pelo olhar desfocado num tempo outro que não ... o presente. Reconheceu que aquela graça tão marcada nos improvisos revelava uma espécie de pedido: o de aceitação.

E, nem sempre o riso é sorriso sincero. Há que se desapegar-se de si. Há que se lançar ao descontrole do tempo. Há que se fazer mais sereno(a) e mais inteiro(a). Há que se ouvir mais do que falar. Há que se jogar verdadeiramente ... lançar-se ao ar e saber voltar. Há que se evaporar. Há que se diluir pra depois juntar. Há que se dialogar. Há no que focar, sim... há.

Há a verdade! À verdade!

19 comentários:

Fiona de Bourbon disse...

Beeel! Um ano de blog, é isso? Acho que é! Lembro que logo que fizestes, nos encontramos. E foi tão bom. É sempre tão bom te ter por perto. Já te falei que sem vc nas nossas caixinhas de comentarios, nem tem graça?! Vida longa às coisas da Bel.

Mto beijooo!

Bel disse...

Cris, querida. O blog faz mais de um ano...eu acho.
Mas esse ano à que me referi marcará um projeto lindo que virá de ontem em diante, entendestes? É um ano lançado à frente desse nosso tempo. E tudo começou no dia 13 de outubro de 2008.
Sempre querida...sempre querendo me entender e muitas vezes acertando...Tão colorido esse laço que nos amarra e enfeita!
Beijos, Cris.
Bel.

Fiona de Bourbon disse...

Rs. Rio de mim mesma! E eu aqui toda faceira e festeira, creeente que tinha acertado! Como diria o povo da minha terra: creente que tava abafando, rs! Mas se vc ler, deixa isso no ar. É como se festejasse essa fase pós-blog.

Desejo então que esse projeto lindo seja um sucessooooo e te deixe mais feliz do que já és! E que a gente permaneça sempre enlaçada nesse laço de fita colorida!

beijoooo

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Nada como dar um fim ao que não esta bastante claro para nos. nada como ficarmos em sintonia, delicadamente, na verdade :)

Beijo meu ♥,

A Elite

SGi/Sonia disse...

Oi Bel, normalmente venho aqui leio, as vezes deixo um comentário, as vezes só aprecio, porque não sou tão boa nas palavras como você.

Fiquei mais ou menos como a Cris, tentando adivinhar o que estava por trás do texto...

Dá umas dicas, porque você é artista e eu apreciadora da arte heheheh

Beijins com Felicidades sempre, pra você que é iluminada por natureza:)

Bel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bel disse...

So-fia? Pra mim és ela. Recebi teu beijo enquanto acompanhava teus passeios por aqui. Agradeço!

Sônia,
Na verdade utilizo esse blog como um diário meu, sabe? Marco os grandes momentos da minha vida nele e compartilho com vocês que são tão carinhosas com meus devaneios. Escrevo utilizando metáforas ... bem sei. Mas é um jeito que me protege, entendes?
Mas...neste caso específico fiz um relato do meu primeiro dia de aula num curso de interpretação para cinema. É desenvolvido pelo Projeto Olho Vivo (tu que és aqui de Curitiba podes conhecer...ou pesquisar). Estou feliz de estar nele, sabe? E quis registrar alguns pontos marcantes em mim e no que vi...pra lembrar quando o projeto terminar....daqui há 1 ano: se Deus quiser".
Agradeço teu interesse...espero ter esclarecido ... continuarei...devaneando e vou adorar esclarecer alguns pontos pra vocês ... minhas fiéis queridas.
Um beijo, Bel.

Sheyla disse...

Bel,
Que esse ano seja florido!
Bjs.

Ana Carolina disse...

Ei Bel! Muito, muito feliz com a sua visita lá no nosso blog. Não fique tímida, pode comentar, dar opinião, concordar ou não com tudo que colocamos no nosso espaço virtual. É uma brincadeira na qual todos podem participar.
A Cris é uma pessoa tão especial que faz nossa sensibilidade aflorar. Sempre te acompanho e admiro suas palavras. Tem também uma admiradora - igualmente tímida - do lado de cá.

Um beijo carinhoso!

Bel disse...

Sheyla...que assim seja: amém!
Estou torcendo e fazendo por onde.
Um beijo, Bel.

Ana...
Começo meu dia tão bem! Tua visita nessa minha janela me fez querer abrir um tantinho à mais as minhas cortinas para vislumbrar toda essa imensidão de vida. Tanta riqueza escondida! Tantas possibilidades de encontro.
Agradeço-te eplo presente!
Visitarei ainda mais, sim! O mesmo do lado de cá!
Um beijo, carinhoso
Bel.

SGi/Sonia disse...

Bel, pois é, quando li o nome, relacionei ao que se tratava, mas como você, também não quis invadir demais, é muito mais legal quando a pessoa fala de si mesmo não é?
Tem vezes que sua metafóra é muito parecida com a minha, pra mim fica mais fácil entender, tô muito feliz por esse seu novo passo.

Torcendo sempre pelo seu melhor:D

Beijins com Feliciades

Elga Arantes disse...

Sua paixão pela dramaturgia me apaixona, rs.

Queria experimentar algum dia, quem sabe... Antes, precisaria da permissão da senhora timidez e do senhor tempo.

Desculpas a parte, acho que isso contribui muito para que seja sensível e adradável como és, Bel.

Que esse projeto dê frutos suculentos.

Beijos.

Bel disse...

Sonia...bom saber que me entendes. Essa exposição daqui é uma vitrine muito viva. E como a maioria, gosto de falar do que é e não do que pode vir a ser...sei que me entendes nisso! Mas...como já está sendo ... uma adorável experiência jogo aos quatro ventos que ando aprendendo muitíssimo sobre mim e sobre esse mundão que há ao meu redor. sinto-me mais viva que antes e isso por si só já é maravilhoso.
Um beijo, viu?

Elga...
Ufa! Já estava preocupada com tua reclusão e minha ansiedade se controla até um determinado tempo (invariavelmente 1 semana)...pode perceber o esforço que fiz, não é? Mas como prezo muito esse nosso encontro te deixei se aquietar e esperei ...deu certo. Voltastes.
Que maravilha...sinto falta de ti! E quanto a veia dramaturgica ... podes bater nesse teu bracinho aí que com certeza ela se mostrará pra ti...roxinha ... como toda veia azulada fica. Tenho certeza que tua inteligência e sensibilidade se encaixariam nessa expressão de arte. Eu chego a apostar.
Um beijo querida...adorável é um adjetivo tão doce...só poderia vir de ti.
Beijos, Bel.

Ana Carolina disse...

Olá Bel! Bom dia

Vc viu? O livro da Cris vai sair em novembro. Estive em BH semana passada e não pudemos nos ver pois ela o estava finalizando.
Fiquei muito feliz, ela mudou a minha forma de encarar a vida com suas palavras.
Parece bobo o q escrevo, mas eu queria dividir isso com alguém igualmente sensível. Puxa, ia ser bacana todos os leitores do blog se encontrarem no lançamento, não?

beijos!

Bel disse...

Oi Ana;
Mas ... quanta delicadeza a tua... vim me avisar e compartilhar comigo uma alegria tua. Minha também, é bem verdade, mas teu envolvimento com ela ultrapassou a barreiria "virtual"e se deu inteira. Lembro-me de vê-las numa foto bem bonita há uns tempos atrás.
Agradeço-te festivamente, viu? Sempre torci pelo livro. Torço por ela porque torço pelo amor. Torço por nós para que essa roda nos faá dançar ... em cirandas.
Nem me fale...adoraria um encontro nosso. No lançamento, então! Tenho fé! Seria encantado. E, a cada dia, gosto mais de te ver por perto.
Um beijo Ana... e mais uma vez agradeço tua delicada cumplicidade.
Bel.

ana - hoje vou assim off disse...

:)

Assim seja, Bel!!!! Vamos aguardar novembro chegar com boas novas.

beijocas!!!!!!!!!!!!

Sofia Fada disse...

Oi Querida! Que lindo este post... adorei as últimas palavras, poéticas demais:
"Há que se ouvir mais do que falar. Há que se jogar verdadeiramente ... lançar-se ao ar e saber voltar. Há que se evaporar. Há que se diluir pra depois juntar. Há que se dialogar. Há no que focar, sim... há."
Adorei!
beijos!

Anônimo disse...

Ola

passei por aqui e gostei do que vi.

Parabens!

voltarei

Carla

http://arte-e-ponto.blogspot.com