Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

09 março 2009

... tentativas de Analice

... os dias insistiam em se ir ... tentando empurrar o balão vermelho amarrado por um lindo fio de cobre ... pra longe dela. E a cada nova tentativa de afastamento ela se prendia mais e mais à ele amarrando-o em seu punho dando mais de uma volta. E o cobre lhe marcava a pele branca ... fios de ouro confirmavam a preciosidade daquele momento. Muitas voltas se deram desde aquele primeiro dia de aproximação. Muitas voltas ela deu ao seu redor e quanto mais girava menos tonta ficava. Era engraçada aquela sensação de rodopio. Parecia furacão sem olho ... um furacão com coração. Um furacão sem estragos. Um furacão que alivia a rotina de vento. Inesperado ... Inusitado. Até o vento precisava ser chacoalhado de tempos em tempos.
"Uma página em branco intimida."
Um espaço novo dentro do coração também. Aquela vermelhidão exposta não é rotina. Relíquias fisiológicas são sempre sentidas e assimiladas pelo corpo ... presente.
Seriam dias de tormenta ... porque toda procura assim exige. E, disso ela já sabia. O encontro seria promessa. Do improviso a realidade ela precisaria mergulhar pra não se perder no passado do tempo. Seria a mistura que comporia Analice. Saramaga seria inspiração ... será sempre desde aquele primeiro dia. Mas .... Analice precisaria sobreviver e quebrar o medo de ser menor que a matriz. Porque ... certamente seria. Ela seria Analice pra poder ser mais dela mesma. Artesanalmente tentaria se fazer melhor pra poder ... simplismente ser.
Esculturas azuis. Ternura e compaixão: primeiro consigo. Promessa renovada sonorizada por sussurros pra si. Prometeu se deixar levar ... assim como o vento se deixa. Se deixa empurrar pra virar furacão. E seria o que pudesse ser.

3 comentários:

Chris Spode disse...

não Bel... não há pq a cria - de criação - ser menor do que a matriz, pq duas essências que se somam,a da inspiração e a da criadora, nunca resultam em nada melhor ou pior: apenas em algo diferente. E normalmente, infinitamente mais interessante.... lindo poder ver seu processo interior nisso tudo, e mais lindo ainda vai ser poder observar qdo tudo isso ganhar forma...
obrigada por compartilhar seu riso e seu comentário lá em 'casa'! vou ver se consigo compartilhar outras coisitas ainda hoje por lá...
beijos bel!! boa semana!!

Renata disse...

Bom é saber fazer de qualquer vento um furacão. Melhor é saber fazê-lo voltar à brisa quando necessário...

Lindo texto!

Beijo,

Rê.

Ms. Siebert disse...

oi bel,
vi seu comentário no blog da Ana e se vc quiser encomendar alguma peça, eu mando por correio! estou colando novas peças no blog essa semana!! beijoos