Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

28 abril 2009

Sem ar

Ela teria 20 minutos pra contar uma vida inteira que havia dentro dela. Uma vida nela havia se materializado depois de toda aquela aproximação. Tão cheia de ar ... saiu acelerando pra poder fazer a beleza aparecer. A beleza de Saramaga amalgamada. A beleza da Lucia e suas paredes invisíveis. A beleza que há no que se foi. A beleza que há no que, inesperadamente, sempre pode surgir. Sopros de vida!

4 comentários:

Chris Spode disse...

e a beleza surgiu, se expandiu, criou asas, e cativou todos!!
todos amaram a apresentação, e a velocidade dela só fortificou sua paixão pelos seus personagens e pela história única deles....
estava ótimo querida, parabéns!!

Lilian Glaisse disse...

bel, sua sumida!
adorei o pitaco! :-)

beijocas e saudades!

Renata disse...

A beleza inesperada é sempre mais cativante e acaba por se tornar ainda mais bela por causa disso...

Estava com saudades de ti!

Beijo grande,

Rê.

Nina disse...

tao cheia de ar, tao cheia de charme...