Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

23 fevereiro 2010

Entre flores e Jujuba ou porque os vasos podem ser suspensos.

... perto do meio da manhã daquele novo dia ela acordou lembrando do sonho e isso era coisa rara ... o dia prometia! Umas gotas de chuva eram anúncio de purificação. Escutou as gotas desafiarem as telhas e quis que as flores se purificassem primeiro do que ela. Foi ao jardim e desceu seus vasinhos suspensos. Das pimenteiras coloridas aos kaloches delicados foi se alegrando com cada uma delas. Sempre que a chuva se derramava sobre as flores ela esboçava um riso (in)terno. Em algumas vezes chegava a falar coisas doces susurradas em meio a vento. Elas pareciam acenar vibrando com as gotas que (diferentemente) lhes faziam dançar. A valsa é sustentada por rodopios. Viu seus vasos coloridos espalhados na grama verde. Viu seu riso ampliado pela beleza da cena. Quase gargalhou. Enquadrou seu plano aberto. Desfocou. No tempo de uma piscada lembrou do encontro que teria com sua Jujuba colorida: ela viria leve e doce. Trocariam olhares afetuosos. Diriam da saudade que a semana imprimiu. Estariam na mesa do café da tarde entre Couer e olhos cheios elas se permitiriam o perdão das escolhas equivocadas.. Amigas eram assim ... ouvintes que anunciavam penitências pelo olhar. Auto. Compaixão. Auto-compaixão. Há abraços. E beijos e promessas de longevidade doce. Há sempre os doces. Há sempre o desejo que seja cada vez mais doce. Lembraram da passarinha que dançava tango em terres portenhas. E daqui lhe desejaram sorte e amor. Sentiram saudades.
E no alto do fim do dia as flores adormeceriam no escuro. E não haveria sonho. As flores não sonham. Mas acordam ... e esperam pela chuva. E esperam pela purificação da auto-compaixão. E esperam pelas gotas que lhes tiram pra valsar. Viriam os rodopios.

2 comentários:

JuKametani disse...

Que honra!!!
AMOR...
Bjssss minha amiga Bebelissima

Priscilla Cesar disse...

Que seja doce, como já é, sempre!
Saudades. E muitos beijos.