Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

04 abril 2008

A outra metade de uma tarde inteira.

.... era meio da tarde. E, uma outra metade da tarde inteira ainda lhe sobraria. Envolta por uma música significativa de uma amiga (menos invisível que antes) resolveu dançar com os dedos espalhados pelo teclado de sempre... aquele teclado pretinho com letras brancas de todo dia. Queria saber o que lhe viria ... o que lhe auto-diria: escutou um barulhinho melancólico que se ritmava pelo som da música. Um movimento, um volume musicado expôs um sentimento terno e doce. Ludicamente ... ela ... desacelerou e se deixou levar pela voz envolvente e amorosa que da música surgia e se materializava em coisas doces. Escutou um violino ao fundo e junto com as cordas se prendeu por lá ... acusticamente. Dedilhou-se e se ouviu: calorosamente. Aquecida pelo alongamento de sua alma se pôs de pé e cheia de vida ... acreditou um pouco mais do que segundos atrás daquela meia tarde e esperançosa entrou na outra parte da tarde inteira com o pé direito ... que dançava dando o primeiro ritmo do dia. Há tempo de recomeçar ... de um segundo para o outro. As grandes viradas de uma vida se revelam em instantes de segundos ... fragmentos de um tempo: o novo.

2 comentários:

Marina String disse...

Bel...suas escritas me encantam..beijocas!!!!

Daniella disse...

Lindo Bel!!
A tarde foi boa heim? Leve... e a música? Quase senti...rs
É a Bel!!!
Bjs, Dani.