Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

15 maio 2009

Dias desmaiados. Aqueles dias haviam sido assim: com pouca vida, ou melhor, com a palidez insistente de quem sente a dor da vida . Dor no corpo causada por uma explosão, de sentimento engolido, de tristeza temperada por tormentos. Dias como aqueles aconteciam quando ela se deixava abater, quando a crença pedia testemunhos, quando a fé se abalava pela insistência de se sinalizar o zumbido do desmaio. Ela não entendia porque tudo aquilo se repetia ... porque aquele susto insistia em lhes desmontar. Porque toda aquela dor em sua amada. Porque em Isabelli e não nela. Repetiu essa pergunta por dias ... quis desmaiar com ela bem grudada ao corpo dela. Foi pra junto dela e escondeu sua amargura ... fez-lhe graças para despistar.

O tempo vai correndo e a dor se dissolve em meio a milhões de outras dores, talvez, bem maiores que aquela delas. Dores ao redor televisonadas pela tela: do vôo do carro de um deputado sem escrúpulos atingindo dois jovens que se despedaçaram pelo choque. A dor daquela mãe que ela bem conhecia ... sentida nela por inversão. Dores de algumas amigas que se dilaceram pelo impacto de sentir a força do desamor. Dores de quem tenta dar um cheque-mate e se aqueita esperando a resposta implacável do tempo. E ..... por comparação sempre há conformação. Dos males o menor ainda que tão explosivo. A fé se reestabelece e as mãos já se juntam pra agradecer o alívio desses últimos dias ... a alegria começa a voltar na voz que vem dela, o riso fácil (sumido por alguns demorados dias) já faz ruído através da caixinha acústica do telefone que as religa.

E ... ela acedita no manto azul que tudo cobre. Ela acredita na força do bom pensamento, no doce que dissolve mágoas, na fala que desata nós. E ... ela acredita que foi a última vez ... de vez.

8 comentários:

Chris Spode disse...

bel querida.... as dores - sejam quais forem - dilaceram e desequilibram, mas passam, sempre passam. não esqueça disso.
maravilha ouvir sua voz mais 'viva' novamente. fique bem, e conte sempre com os esmagos para, se não aliviar, ajudar a carregar.
beijos querida.

Fiona de Bourbon disse...

Um beijo pra dona Isabelli. E hoje rezarei um terço especial na intenção dela.
beijooo

Bel disse...

Duas Cris (es ... nesse caso o plural não combinou com o nome próprio delas ... combinou mesmo comigo) ... como dizia ... duas C(h)ris em meu caminho ... na minha estrada virtual.
Cada uma com sua forma ... duas delicadas queridas minhas.
Agradeço as lindas palavras, os desejos sinceros, a força do verdo rezar (Cris ... princesa de Bourbon)... agradeço imensamente.
Um beijo em cada uma e saibam do meu imenso afeto.
Bel.

SGi/Sonia disse...

Bela Bel,
que aflição e que nó na garganta em ler isso, eu tão entretida em mim essa última semana e você tão afogada em sentimentos(justo aqueles que não gostamos).
Beijins em Isabelli com muito carinho:*

Beijins em você e se precisar de algo me avisa:*

Bel disse...

Soninha ... doce Soninha.
Tu és como um vento bom ... uma brisa refrescante ...foi assim que senti naquele nosso dia. É assim que é. Enviarei teu beijo à Isabelli ... teu carinho já respingou nela e me coloriu.
Um beijo e muita gratidão,
Bel.

Ana Ventura disse...

Olá querida, que a fé preencha todos os seus dias, mesmo em meio a dor.
Sumida estive, viajando no tempo e na distância, mas já de volta, olhe só as fotos que coloquei nos slides do blog. Estivemos no Egito, depois uma pausa em Milão e Veneza para pegar ar fresco, moda e civilização!
No mais tudo bem, Tatá estudando muito para o vestibular, Iazsmin mais ainda, já que leva o curso muito, muito a sério, e Tarik agora nas aulas de guitarra. Eu em meus cursos! E Almir carregando o piano.
Beijos, beijos, beijos, cheios de saudade!
Ana Liliam

Elga Arantes disse...

Belzita, tenho certeza que sua amizade fez um bem enorme a quem te teve por perto em momentos tão dolorosos. Você me ensina, diariamente, que a dor faz parte da vida, mas não precisa fazer parte da gente. Mesmo assim, ela nos visita, às vezes. O valor da alegria fica, pois, indescritivelmente maior. E a gente volta a colocar fé... na fé! A fé, quando retornou pra dentro de mim, trouxe com ela o reconhecimento e a importância da fé na fé. E grande parte desse estoque interno, guardo para meus amigos, para as pessoas, para gente. E você é genuinamente uma das "gentes" mais gente que já tive a sorte de conhecer... e de gostar, de verdade. Porque gosto do seu estoque interno e não das prtaeleiras (estas ainda vou conhecer um dia). Fique sempre muito bem. Estou ouvindo seus sininhos. Está voltando a voar...

Bel disse...

Lilian ...
O tempo só sublinha o que foi colorido. E quando te vejo por aqui vejo a tela linda que pintamos juntas ... juntos. Vi tuas fotos e adorei. Daqui sempre torço por ti ... pela tua linda família. As meninas irão mandar V nesse fim de ano. E fiquei imaginando o Tarik dando seus primeiros acordes de guitarra ...lindo!
um beijo, Bel.

Adorável ...
A pessoinha em questão era minha maãezinha Isabelli.... minha melhor amiga... meu grande amor. E ... só tendo fé na fé pra deixar o tempo curar.
Quando me destacas e me colocas no teu mundo eu me emociono imensamente, Adorável. Tomara que eu seja merecedora de tamanho afeto.
Saibas que acredito porque sinto algo inexplicável e intenso por ti... agradeço-te imensamente. Já te disse antes: tua presença melhora a minha existência.
Um beijo enorme,
Bel.