Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

Casa di Bebel ... Rabiscos sem papel

05 abril 2010

Cirandas

... girava sem parar quando cirandava. Gostava daquelas letras inspiradoras que ritmavam os giros certeiros. Parecia estar num carrossel. Tonteava, por vezes. Parava, respirava, ria de sua volúpia, segurava a barra da saia e se despedia dos chinelos coloridos que protegiam seu pés. Sentia um calor novo e o redemoninho que provoca um rodopio interno. Ria de novo e tentava abrir os olhos aos poucos. Da lentidão ao giro ... ia pra ciranda novamente. E nunca era a mesma: nem ela e muito menos a ciranda. Tinha companhia. Valsavam de mãos dadas ... poderiam ser mais de três. Ainda não tinham os olhos: uns dos outros ... uns nos outros. Talvez. Um dia ... haveria.

6 comentários:

Cirandas da Vida disse...

Nao tinha lido este...

Engraçado como me encaixo sempre nos seus grandes textinhos... não preciso nem buscar a identificação.. ela me salta aos olhos...

Haverá Bel.. ou deste ou de outro outro..

Cirandas da Vida disse...

embora saiba que estas a falar de si propria na outra janela....

Bel disse...

Como... querida? Não entendi. falo de mim ... porque falo do que vivo ... conjuntamente ... nesses nossos dias.

Beijos,
Bel.

Cirandas da Vida disse...

Digo porque tomei pra mim seu texto.. entao estavas a lhe dizer.. que era apenas emprestado!!!

rsrssr

Bel disse...

Mas és minha musa inpiradora. Mesmo!
Mais beijos,

Bel.

Cirandas da Vida disse...

:) Adoro o que sou quando estou com vc e com ele....

Obrigada pela musa inspiradora.. outra identificação com meu muso